LEMBRETE: A Bandeira Imperial do Brasil, marca da Emancipação Política do País, foi criada em 1822 e utilizada até a Proclamação da Republica.

A Bandeira do Brasil foi adotada pelo Decreto de Lei nº. 4 de 19 de novembro de 1889, criado 4 dias após a Proclamação da Republica do Brasil.

USO DA BANDEIRA

A Bandeira do Brasil pode ser usada em todas as manifestações do sentimento patriótico dos brasileiros, de caráter oficial ou particular, Nas solenidades oficiais, há varias formalidade a serem seguidas. Nas festas particulares, principalmente aquelas que se realizam nas ruas e nos estádios, com grande aglomeração de pessoas, a informalidade prevalece.

AS CORES

As quatro cores da Bandeira Nacional representam simbolicamente as famílias reais de que descende D. Pedro I, idealizador  da Bandeira do Império. Com o passar do tempo esta informação foi sendo substituída por uma adaptação feita pelo povo brasileiro, dentro deste contexto, o Verde passou a representar as Matas, o amarelo as riquezas do Brasil, o Azul o seu céu e o branco a paz que deve reinar no Brasil.

 

Mato Grosso tem 906.806,9 – km2.

Mato Grosso é  maior que Países como Portugal, Paraguai e Chile.

Mato Grosso é o único Estado Brasileiro que possui os três ecossistemas: Cerrado, Mata Amazônica e o Pantanal.

 

Mato Grosso possui:

Senadores.............................. 03

Deputados Estaduais .............24

Deputados Federais............... 08

 

Congresso:  Senadores – 54,  Deputados Federais – 513   e   Deputados Estaduais – 1.059.

 

01/03/1823 – Morre Rui Barbosa

02/03/1572 – Morre Mem de Sá

03/03/1755 – Criação do Estado do Amazonas

14/04/1801 – Organização dos Correios no Brasil

15/03/1975 – Fusão dos Estados do Rio de Janeiro e Guanabara, formando novo Estado.

 19/03/1534 – Nasce o Padre Jose de Anchieta.

25/03/1824 – Promulgação da primeira Constituição do Brasil.

29/03/1693 – Fundação de Curitiba, Paraná.

29/03/1964 – Golpe Militar.

 

 

MUNICIPIO DE NOVA XAVANTINA

 

 

LOCALIZAÇÃO: O Município de Nova Xavantina, situa-se ao Médio Araguaia, Leste de Mato Grosso, ás margens do Rio das Mortes, em área da Amazônia Legal, sendo considerado o GEO-CENTRO do Brasil.

 

LIMITES:

Norte – Água Boa

Sul – Barra do Garças

Leste – Cocalinho

Oeste – Campinapolis e Novo São Joaquim.

 

DISTANCIA:

A Barra do Garças............................152 km

A Cuiabá...........................................653 km

A Goiânia..........................................570 km

A Brasília..........................................770 km

A Água Boa......................................  80 km

A Canarana........................................160  km

A Cocalinho.......................................235  km

A Campinapolis.................................  70 km

A Novo São Joaquim.........................110  km

 

POPULAÇÃO:

A população total do Município, de acordo com o censo de 1996 é de 18.986 habitantes, formada principalmente por imigrantes oriundos da região Sul, Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste e Norte.

Conforme IBGE censo/2007 a população é de 18.670 mil habitante.

Censo de 2010 – população é de 19.475 mil habitantes.

 

DADOS TERRITORIAIS:

Possui uma dimensão territorial de 5.566,29 km2, e fica a 14º e 16º abaixo da linha do Equador e nas Longitudes 51º e 54º a Oeste de Greenwich.

            A altitude media fica entre 200 e300 metrosem relação ao nível do mar, sendo que na Serra do Roncador pode ser encontrada a altitude de ate630 metros.

 

HIDROGRAFIA:

            Rio Noidori, Rio Pindaíba, Rio Areões e Rio Manso ou das Mortes.

 

CLIMA:

            É  semi-úmido tropical, com estação definida de verão e chuvas (não havendo secas causticantes e nem geadas ou inundações). A maior incidência de chuvas é entre novembro e março. A temperatura media é de 28º graus, com mínima de 17º (dezessete graus) e a máxima em torno de 40º (quarenta graus). A umidade relativa do ar fica em torno de 25% (vinte e cinco) a mínima e 95% (noventa e cinco) a máxima.

 

SOLO:

            Na sua maioria o solo da região é lato-solo amarelo e vermelho.

 

VEGETAÇÃO:

            Predomina o cerrado, com fitofisionomia variada do tipo arbóreo, xeromorfo ao tipo herbacio-arbusto. Substituição natural por forrageira nativa, com recuperação do efeito bio-estatico.

 

FORMAÇÃO GEOLOGICA:

            Cobertura não dobrada do fanerozóico, sub-bacia Ocidental do Paraná.

            Coberturas dobradas do proterozóico com granitóides associados, grupo Alto Paraguai.

 

RELEVO:

            Depressão Araguaia – Serra do Roncador.

 

BACIA:

            Grande Bacia do Tocantins – Pará, essa contribui a bacia do Rio das Mortes. O Rio das Mortes faz divisa, a Oeste com o Município de Novo São Joaquim, depois banha o centro de Nova Xavantina e depois, ao Norte, faz divisa com Água Boa. O Rio das Mortes recebe, pela direita, os rios Pindaíba e Dom Bosco e pela esquerda o Areões, Noidori entre outros menores.

 

ASPECTOS HISTORICOS:

            Para melhor compreender a historia de Nova Xavantina e demais cidade da região do Vale do Araguaia, é preciso que façamos uma viagem através do tempo, analisando fatos históricos que aconteciam em todo o mundo, principalmente na Europa.

            O Centro – Oeste brasileiro era completamente despovoado de homens brancos, e as incalculáveis riquezas do solo brasileiro despertavam as cobiças de poderosos grupos mundiais.

            Em 1937, o representante do Governo Japonês junto as Nações Unidas, Barão Shudo apresentou em nome de seu governo, a idéia de ocupação de áreas internacionais ricas e inexploradas.

            Essa mesma idéia passaria a ser defendida pelo poderoso Chefe de Estado da Alemanha Nazista, Adolf Hitler, que com seu sonho expansionista de conquistar o mundo, foi um dos principais causadores da 2ª Guerra Mundial, que teve inicio em 1939.

            O Brasil é atacado por submarinos inimigos, nas costas da região Norte no dia 18 de agosto de 1942.

            Para defender sua soberania e independência, o Brasil no dia 22 de agosto de 1942 entra na 2ª Guerra Mundial, por Decreto do então Presidente Getulio Vargas.

            A Capital do Brasil era o Rio de Janeiro, uma cidade que por estar no litoral não tinha qualquer segurança no caso de uma possível invasão do inimigo. Por tudo isso o Presidente Getulio Vargas decidiu pela ocupação da imensa região Centro – Oeste.

            O primeiro objetivo era desbravar a região central do Brasil, com a possibilidade de transferir a capital da Republica para um local mais seguro no interior do País, se necessário fosse.

            O segundo objetivo era promover a ocupação efetiva dessa região, acabando com as especulações de uma possível ocupação por nações estrangeiras.

            Com a determinação do Governo Getulio Vargas, idealizador da“MARCHA PARA O OESTE”, em 03 de junho de 1943, o então Ministro João Alberto de Lins e Barros, Coordenador da Mobilização Econômica, cria a “EXPEDIÇÃO RONCADOR – XINGU”, através da Portaria nº. 77.

            Como vimos o objetivo da Expedição Roncador – Xingu, era atingir as confluências do Rio Culuene com o Rio Xingu, atravessando o Rio Manso ou das Mortes, no ponto mais próximo da Serra dos Araés.

            Da expedição participaram muitos brasileiros vindos dos mais diversos estados do País. Foi chefiado pelo Coronel Flaviano de Matos Vanique.

            Depois de reunir os recursos e materiais para iniciar o trabalho de penetração, rumo ao desconhecido, montou-se uma grande base de apoio em Aragarças, onde foi ficado o Marco Zero da Expedição.

            Em setembro de1943, aVanguarda da Expedição partiu de Aragarças iniciando a Marcha rumo ao Rio das Mortes. No dia 03 de dezembro de 1943 o grupo comandado pelo Cel. Vanique seguia na mesma direção.

            Desde sua partida a expedição já tinha informação dos pontos principais pelos quais iria passar e os obstáculos que deveria evitar, pois contava com o apoio de um avião FOKKER da FAB, pilotado pelo Major Basílio, que fazia o reconhecimento aéreo da região.

            O trabalho da expedição consistia na abertura da picada inicial e em trabalhos exploratórios, que começavam bem cedo, obedecendo a horários rígidos, a partir das 5:30 (cinco e meia da manhã), quando tocava a sineta da alvorada.

            Durante o trajeto, eram fixados pequenos acampamentos de sustentação e armazenagem de alimentos, que eram abastecidos pelos tropeiros. Um desses acampamentos ficava no bico da Serra Azul.

            Depois de ter feito o primeiro pouso de avião na pista recém construída naquele local, o Major Basílio jantou um farta feijoada;  durante a noite, teve um grande pesadelo, e aos fritos acordou todo o acampamento.  A partir desse episodio, aquele acampamento passou a se chamar acampamento do Vale dos Sonhos.

            Entre Barra do Garças e o Rio das Mortes, a expedição enfrentou muitas adversidades;  chuvas, mosquito, animais ferozes e o desconhecido eram o grande desafio, e a época, período de chuvas, a menos propicia do ano para tal empreitada.

            Foi no dia 28 de Fevereiro de 1944 que a expedição alcançou o Rio das Mortes.

            Ao subirem numa arvore de pau de óleo, avistaram um pouco mais abaixo, as curvas do lendário rio.

            São palavras do diário da expedição feita pelo expedicionário ACARY DE PASSOS OLIVEIRA.

            “28/02/1994 – tudo normal ate que ás 13:00 horas os encarregados de abrir o pique,após rápidos momentos de surpresa, descarregaram varias vezes suas armas, o mesmo fazendo o pessoal que trabalhava logo atrás, a alegria era contagiante, falam gritam, gesticulam emocionados, gritam em altas vozes que o lendário Rio das Mortes havia sido alcançado. Toda tarde foi de namoro ás águas do Rio das Mortes que, não obstante o nome, é um dos belos cursos de água conhecido. Muitos peixes foram pescados e houve ate em caráter excepcional, distribuição de “Drinks”, por ser hoje o dia da Comemoração.”

            A primeira providencia do Coronel Vanique foi procurar um local adequado para preparar a pista de pouso para aviões que lhe garantiriam o suprimento de alimentos.

            Ao mesmo tempo em que alguns homens construíram a pista de pouso (campo de FAZ),outros cuidaram de montar nas proximidades, onde encontraram barro de boa qualidade, uma olaria para produzir tijolos e telhas necessários para a construção das casas que formariam o posto da Expedição. Esse lugar ficou conhecido com o nome de Bairro Olaria.

            Durante 44 dias esteve a expedição cuidando de preparar a pista e construir os primeiros barracos de palha.

            Foi no dia 14 de abril de 1944 que a Expedição fincou um MARCO,fundando a VILA DE XAVANTINA, no local onde hoje fica a Praça Cívica, no Setor Xavantina.

            No dia 06 de junho de1944, aExpedição Roncador – Xingu atravessa o Rio das Mortes e prossegue sua caminhada em direção ao Xingu, deixando o posto da Vila Xavantina, que passou a dar apoio ás frentes de trabalho.

            Aqueles expedicionários que ficaram se tornariam os primeiros moradores de nossa cidade.

            Foram construídas as primeiras casas de alvenaria; Casa da Chefia, Igreja, Escola Ministro João Alberto, Almoxarifado Central e muitas outras residências para abrigar as famílias dos expedicionários, no local conhecido hoje por XAVANTINA VELHA.

            A partir de 1945, aExpedição Roncador Xingu se transforma na antigaFundação Brasil Central, em 1967 é acampada pela SUDECO, hoje já extinta, que veio consolidar a ocupação do Centro-Oeste.

            Tempos depois a Vila de Xavantina passou a Distrito do Município de Barra do Garças com o nome de Ministro João Alberto, ao mesmo tempo que o povoado da margem esquerda passou a ser o Distrito de Nova Brasília.

            De 1970 em diante, com o objetivo de desenvolver a agricultura na região, foram criados os projetos de colonização agrícola pelas mãos do ex – Deputado Federal Norberto Schwantes, que trouxe agricultores do Sul do País, dando origem á diversas agrovilas que se transformaram mais tarde nos Municípios de Água Boa, Canarana, Querência, Vila Rica e muitos outros. É a ocupação efetiva do Centro-Oeste.

            Em 03 de dezembro de 1971 é inaugurada a ponte sobre o Rio das Mortes, representando a integração da Amazônia.

 

EMANCIPAÇÃO

            Com a retomada do desenvolvimento dos então Distritos de Barra dos Garças, Ministro João Alberto (Xavantina) e Nova Brasília, pela presença dos gaúchos, catarinenses, paulistas,paranaenses, com os incentivos dos projetos fundiários nos últimos anos da década de 70, estes distritos, apenas separados pelo Rio das Mortes, aspiravam pela emancipação político-administrativa, que viria a tomar forma e institucionalizar-se com a fundação da SOCIEDADE AMIGOS DE MINISTRO JOÃO ALBERTO – SAMJA, em fevereiro de 1979. Funcionando com suas portas abertas e reuniões constantes sob a luz tênue de um lampião a gás, esta Instituição tornou-se em breve tempo um espinho para a política coronelista de Barra do Garças, um instrumento de politização comunitária, de reivindicações, muitas com sucesso, como a energia elétrica, o abastecimento de água, Escola Cel. Vanique, Posto de Saúde, Agencias do Banco do Brasil e Real e tanto outros benefícios.

            Sob a presidência de Archimedes Carpentieri, a SAMJA funcionou até pouco depois de conseguir o seu maior objetivo que foi finalmente concretizado: a Emancipação “Lei 4.176 de 3 de março de 1980,” sancionada pelo Governador Frederico Carlos Soares Campos. Nascia então o Município de NOVA XAVANTINA, englobando os Distritos de Nova Brasília e Ministro João Alberto.

            Nesse mesmo ano de 1980 é nomeado pelo Governador o 1º (primeiro) Sub – Prefeito JOÃO BOSCO NASCIMENTO (Bosquinho), primeiro filho homem nascido em Xavantina.

            O monumento que hoje existe na Praça Cívica foi inaugurado no dia 14 de abril de 1980, pelo então Governador do Estado de Mato Grosso, Frederico Carlos Soares Campos.

            Em 1982 é eleito o 1º (primeiro) Prefeito, o Sr. JOSE FREDERICO FERNANDES, tendo como Vice o Sr. ISIDORO BOBRZYK, tomando Posse em 01/02/83 e constituída a Primeira Câmara de Vereadores, com os seguintes eleitos:

 

                                            1ª Gestão – 1983 a 1988

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 1981

 

Prefeito: JOSE FREDERICO FERNANDES

Vice     : ISIDORO BOBRZYK

 

           

                   VEREADOR

            PARTIDO POLITICO

Alaor Rodrigues Moreira

MDB

Aquiles Menegat

MDB

Ari Santin

MDB

Geraldo Rodrigues Parreira

PDS

Gilmar Bonfanti

MDB

Frederico Pereira de Abreu

MDB

João Bosco Nascimento

PDS

João Jacinto Silvério

PDS

Marcos Piza Pimentel

PDS

Maria Custodia da Silva Ferreira

MDB

Valdomiro Rosa Campos

PDS

 

            A Bandeira Municipal, tal como foi aprovada pela Lei 013 de 25 de abril de 1983, desde meados de 1978, já desfilava em datas cívicas pelas escolas do então Distrito de Ministro João Alberto e do Distrito de Nova Brasília, hoje emancipados como Município de Nova Xavantina.

            Sobre um campo retangular blau (azul indico), acha-se engastada uma estrela de cinco pontas (um pentalfa), matizado de branco, cores e formas geométricas que se encontram também na Bandeira do Estado de Mato Grosso.

            A descrição heráldica pode ser encontrada na própria Lei que a criou, acrescentou-se ainda que o azul simboliza a justiça, nobreza, perseverança, zelo, lealdade e formosura, sendo que o branco é símbolo de paz, amizade, trabalho, prosperidade, pureza e religiosidade. A estrela de cinco pontas representa o próprio ser humano de braços e pernas estendidos, estrelados, portanto os valores filosóficos, éticos, espirituais simbolizados pelo campo azul em harmonia com os valores humanos, terrenos, condicionados representados pelo pentalfa.

            A criação do Brasão, bem como o estudo heráldico é de autoria de Archimedes Carpentieri e a Sra. Elisa Marques Gomes, e o desenhista Manoel Neivas. A arte final foi feita pela pintora Hannelore Schoops, e também foi aprovado pela mesma Lei nº. 013 de 25 de abril de 1983, e procura retratar, através de seus desenhos e suas cores, a historia e os valores de Nova Xavantina.

            O Brasão de Nova Xavantina, está desenhado em formato português, esquartelado, que é a combinação do partido em pala e cortado em faixas que divide o campo do escudo em quatro quartéis.

            1º QUARTEL:

            Em um campo vede vê-se um garimpeiro na faiscagem do ouro no Rio das Mortes. Significa a luta entre paulistas e portugueses na 1ª década do século XVII.

            2º QUARTEL:

            Em campo azul destaca-se um archote aceso sustentado por uma mão. A chama do archote está pintada em vermelho e os raios de luzem ouro. OArchoteé o símbolo da ciência e amor patriótico.

            O fogo, a tocha simboliza a vida, a atividade, a manutenção do ideal, da tradição do porvir. Os tupis davam a esta região o nome Arabutan que significa Região do Fogo.

            3º QUARTEL:

            Em campo ouro, o touro rampante furioso, pintadoem vermelho. Significaanimo indômito. Representa também a pecuária, como atividade que sempre esteve presente na região.

            4º QUARTEL:

            Desenhado em campo verde, destaca-se uma ponte em prata sobre um rio azul que no nosso caso é o Rio das Mortes. A ponte, segundo a simbologia heráldica é interpretada como símbolo da união, de ligação.

            CORONEIS:

            “Coronéis” são as figuras de adorno que ficam nas laterais do Brasão.

            Representam as atividades agrícolas, são representados por dois feixes de arroz frutificados em cor verde e os grãos em ouro, denotando estarem detrás do escudo.

            COROA MURAL:

            Apoiada sobre o Brasão está a Coroa Mural em prateado argento, com cinco torres aparentes e três encobertas tendo a torre Central suas portas abertas em preto e as demais fechadas.

 

            A coroa Mural identifica a Heráldica de Domínio que sobrepõe o escudo e que, de conformidade com a quantidade de torres que ostenta e a cor do metal em que é representada, classifica a grandeza da cidade. Nova Xavantina corresponde á categoria de 2ª grandeza, simbolizando Comarca.  As portas abertas representam a hospitalidade, a cidade aberta aos visitantes e aos que aqui desejam se fixar.

            LISTEL:

            Finalmente, o Brasão se assenta no Listel pintado em campo livre com frente em cor prata e a parte de trás que se mostra em dobras na cor azul.

            Sobre o mesmo os dizeres: “Nova Xavantina” em vermelho, como identificação mais imediata do Domínio.

 

            LOGOTIPO DO MUNICIPIO DE NOVA XAVANTINA

 

            O desenho foi criado pela Gráfica Tipoalfa Ltda. A frase cuja idéia, deveria sintetizar as características da cidade, alem de distingui-la das demais, prevaleceu a seguinte:

“GEOCENTRO DO BRASIL”

            Sabemos que o nosso Município encontra-se geograficamente situado exatamente no centro do Brasil. Muitas cartas geográficas do território brasileiro indicam esta informação. Assim sendo, não poderíamos perder esta oportunidade para oficializar este fato, contribuindo, desta maneira, para a maior divulgação de Nova Xavantina, com a distinção de ser oCENTRO GEODESICO DO BRASIL.

            O Logotipo de Nova Xavantina assim se descreve: as letras “N” e “X”,justapostas encimadas por uma estrela de cinco pontas tendo abaixo os dizeres “ GEO-CENTRO DO BRASIL” monocromático.

 

SELO MUNICIPAL DE NOVA XAVANTINA

            O Selo instituído assim se descreve: dois círculos concêntricos, havendo entre si, a proporção de 3 (três) para 4 (quatro) e á volta do circulo interno, as palavras MUNICIPIO DE NOVA XAVANTINA-MT, com um Pentalfa aposto ao centro, ocupando todo espaço interno, sem que seus vértices encostem no circulo.

            Parágrafo Único – As letras das palavras citadas neste artigo terão como medidas, de altura, um sexto do raio do circulo interno e de largura, um sétimo do mesmo raio, sendo que sua distribuição será feita conforme indica o desenho em anexo a esta Lei.

            Art. 11 – O Selo Municipal será usado para autenticar os documentos do Poder Executivo e do Poder Legislativo, bem como diplomas e certificados pelos estabelecimentos de ensino oficiais ou reconhecidos.

            Em 01/01/89, assume o 2º Prefeito Dr. OSWALDO TAKASHI TOYAMA,    que administrou o Município até julho de 1992, quando assume seu Vice o Sr. NELSON BISPO DE SOUZA.

 

 

2ª Gestão – 1989 a 1992

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS  -   1988

 

Prefeito : OSWALDO TAKASHI TOYAMA

Vice : NELSON BISPO DE SOUZA

 

                                               VEREADORES

              VEREADOR                                           PARTIDO POLITICO

 Adiel Antonio Ribeiro

 PL

Enio Araújo

PT/PFL

Flavio Leopoldo Breitembach

PDT

Inelson Bosa

PDT

João Batista Vaz da Silva

PMDB

João Bosco Nascimento

PL

João Moraes dos Santos

PMDB

Jose Nogueira Paniago

PL

Luiz Gonzaga Lopes da Silva

PFL

Mario Dammann

PDT

Ubiratan Tavares Pimentel

PFL

 

 

 

FONTE: Câmara Municipal de Nova Xavantina

 

 

 

                                                               3ª Gestão  -  1993  a  1996

 

            Em 1993, assume o 3º Prefeito Eleito, o Sr. SEBASTIÃO CARLOS TOLEDO, tendo como Vice o Sr. CLOVIS ALVES DE MELO.

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 1992

 

Prefeito: SEBASTIÃO CARLOS TOLEDO – PTB

Vice: CLOVIS ALVES DE MELO         -  PMDB

 

 

               VEREADOR

            PARTIDO POLITICO

Adiel Antonio Ribeiro

PMDB

Inelson Bosa

PDT

João Alves de Lima Neto

PL

João Bosco Nascimento

PL

Jose Antonio Ferreira

PTB

Jose Rodrigues Silqueira

PT

Lazaro Fraga de Melo

PL

Lazaro Alves Fernandes

PSDB

Luiz Gonzaga Lopes da Silva

PL

Milton Abílio Dalcin

PTB

Sebastião Carvalho de Souza

PMDB

 

 

 

   4ª Gestão  -  1997  a  2000

 

 

            Em 01/01/1997, assume o 4º (quarto) Prefeito eleito, o Sr. JOSE FREDERICO FERNANDES, tendo como Vice o Sr. ESDRAS FERNANDES RODRIGUES.

 

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 1996.

                                               

Prefeito : JOSE FREDERICO FERNANDES –      PFL

Vice       : ESDRAS FERNANDES RODRIGUES - PFL

 

 

                 VEREADOR

            PARTIDO POLITICO

Adelmo Ferreira Barros

PTB

Carmen Sylvia Onofre de Sousa

PMDB

Edivaldo Moreira Martins

PFL

Edson Augusto de Oliveira

PT

Inelson Bosa

PDT

Jose Antonio Ferreira

PTB

Lazaro Fraga de Melo

PL

Manoel Jose da Silva

PDT

Maria de Lourdes do Nascimento Ribeiro

PFL

Neuzeni Garcia Campos

PFL

Nevio Lorenzet

PFL

 

                            

 

A ocupação efetiva do Centro-Oeste reflete na Cidade de Nova Xavantina, no Geo-Centro do Brasil, uma cidade que tem seu destino traçado em sua terra, sua gente.

            Nova Xavantina certamente será uma cidade que despontará com novos valores no terceiro Milênio.

 

 

 

                                   5ª Gestão  -  2000 a 2004

 

            Em 01/01/2001, assume o 5º (quinto) Prefeito eleito, o Sr. ROBISON APARECIDO PAZETTO, tendo como Vice o Sr. SAUL MELO.

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 2000

 

 Prefeito:  ROBISON APARECIDO PAZETTO - PSDB

 Vice      :  SAUL MELO                                         -

 

VEREDOR

 

PARTIDO POLITICO

Ademir Terebinto

PSDB

Adelmo Ferreira Barros

PPS

Elias Bueno de Souza

PSB

Ito Guilherme Thomé

PSDB

João Bosco Nascimento

PPS

Jose Antunes Fernandes

PMDB

Lazaro Fraga de Melo

PL

Manoel Jose da Silva

PSDB

Nelson Barbosa de Morais

PFL

Ney Ramos Bispo de Souza

PFL

Ney Weliton do Nascimento

PFL

 

                       

                                                   6ª Gestão – 2004/2008

 

            Em 01/01/2005, assume o 6º (sexto) Prefeito eleito, o Sr. ROBISON APARECIDO PAZETTO, tendo como Vice o Sr. MARCELINO FERREIRA DA PAIXÃO.

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 2004 a 2008.

 

Prefeito : ROBISON APARECIDO PAZETTO    -   PP

Vice       : MARCELINO FERREIRA DA PAIXÃO

 

VEREADOR

PARTIDO POLITICO

Elias Bueno de Souza

PP

Jakson Paz da Silva

PC do B

Jose Antonio Ferreira

PTB

Luiz Gonzaga Lopes da Silva

PFL

Manoel Jose da Silva

PSDB

Nelson Barbosa de Morais

João Bosco Nascimento

PFL

SUPLENTE

Ney Weliton do Nascimento

PFL

Oswaldo Takashi Toyama

PL

Sedimar Teixeira Fonseca

PL

 

           

                                                   7ª Gestão – 2009/2012

 

            Em 01/01/2009, assume o 7º (sétimo) Prefeito eleito, o Sr. GERCINO CAETANO ROSA, tendo como Vice a Sra. MARIA APARECIDA VAZ ANDRADE.

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 2009 a 2012.

 

Prefeito : GERCINO CAETANO ROSA  -  PTB

Vice       : MARIA APARECIDA VAZ ANDRADE – PPS

 

VEREADOR

PARTIDO POLITICO

Adelcimeire Bispo Sirqueira - Neca

PTB

Edílson Francisco Caetano

PTB

Jose Antunes Fernandes - Zé da Trevo

PP

João Bosco Nascimento - Bosquinho

PP

João Carlos Capelari

PDT

Marta Helena da Silva Negrão

PTB

Manoel Jose da Silva - Branquinho

PR

Ney Weliton do Nascimento

DEM

Paulo César Trindade - Cezinha

PMDB

 

 

                                                   8ª Gestão – 2013/2016

 

            Em 01/01/2013, assume o 8º (oitavo) Prefeito eleito, o Sr. GERCINO CAETANO ROSA, tendo como Vice o Sr. JOÃO BATISTA VAZ DA SILVA.

 

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 2013 a 2016.

 

Prefeito : GERCINO CAETANO ROSA  -  PTB

Vice       : JOÃO BATISTA VAZ DA SILVA – PMDB

 

VEREADOR

PARTIDO POLITICO

Alderi dessotti

PMDB

Edilson Francisco Caetano

PSD

Eliane Silveira Dias

PSD

Elias Bueno de Souza

PP

João Bosco Nascimento

PP

Jose Gilberto Rota

PROS

Luismar Bernardes da Silva

PDT

Manoel Jose da Silva

PR

Ney Weliton do Nascimento

Paulo Cesar Trindade

Wescley Pereira da Silva

PSD

PMDB

PC do B

Compartilhe!